[Modelo] Contrato Particular de União Estável

0
116

CONTRATO PARTICULAR DE UNIÃO ESTÁVEL

Por este instrumento particular de Contrato de União Estável de convivência duradoura, pública e contínua, com fundamento no art. 226 da Constituição Federal de 1988, Lei nº 9.278, de 10 de maio de 1996 e art. 1.723 e seguintes da Lei 10.406 de 2002, ficou justo e contratadoentre os abaixo assinados:

JOÃO…, nacionalidade…, estado civil…, profissão…, Carteira de Identidade RG nº… e CPF nº…, residente e domiciliado na Rua…, nº…, Bairro…, na cidade de…, Estado de…, e,

MARIA…,nacionalidade…, estado civil…, profissão…, Carteira de Identidade RG nº… e CPF nº…, residente e domiciliado na Rua…, nº…, Bairro…, na cidade de…, Estado de…, que acordam por mútua convenção nos termos da Lei o que segue:

CLÁSULA PRIMEIRA:Os CONVIVENTES, desde o dia 01/01/2016, vivem sob o mesmo teto, na Rua…, nº…, Bairro…, Cidade/UF…, em convívio consorcial, com animus de constituir família, comprometendo-se ambos durante a convivência, ao respeito, à consideração, à assistência, àmoral, aos bons costumes,à fidelidade, à lealdade, a uma dedicação mútua e esforço em comum no sentido de atingir a harmonia necessária e ao bem estar do qual o aconchego do lar poderá lhes oferecer.

CLÁUSULA SEGUNDA:Os CONVIVENTES declaram que o período de relacionamento anterior a este contrato foi exclusivamente de namoro, onde cada um convivia em sua residência, sem o animus de constituir família, pois estavam no período de conhecimento.

CLÁUSULATERCEIRA: O tempo de duração do presente contrato é por prazo indeterminadoe, durante a vigência da convivência, ambos os CONVIVENTES deverão observar o mais austero respeito, fidelidade edignidade, um para com o outro, bem como a observância de todos os afazeres e cuidados exigidos para uma sólida e perfeita convivência;

CLÁUSULA QUARTA:No tempo de duração deste contrato o regime adotado é o da separação absoluta de bens, previsto no art. 1.687 da Lei 10.406/2002, ou seja, quaisquer bens móveis ou imóveis, direitos e rendimentos adquiridos por qualquer dos CONVIVENTES antes ou durante a vigência do presente contrato pertencerão a quem os adquiriu, não se comunicando com os bens da outra parte; Os bens aquestos não se comunicarão.

CLÁUSULA QUINTA: Cada CONVIVENTE declara, para todos os efeitos legais, ter conhecimento: (i) da situação econômico, financeira e patrimonial do outro; (ii) de que todos os bens e direitos hoje existentes foram adquiridos antes do início do convivência ou por causa anterior (legítima, doação, sub-rogação, etc.); (iii) de que esses bens não geraram qualquer fruto ou rendimento no período da união; (iv) de que não haverá qualquer comunicação de frutos, rendimentos ou quaisquer aquestos, pertencendo os respectivos bens e direitos exclusivamente ao CONVIVENTE que os tiver adquirido, inclusive a participação e lucros nas empresas em que os CONVIVENTE fazem ou farão parte do quadro societário.

CLÁUSULA SEXTA: Os conviventes declaram ainda, para todos os efeitos legais, que não existe até a presente data qualquer patrimônio adquirido pelo esforço ou contribuição comum.

CLÁUSULA SÉTIMA:Os conviventes conservarão o domínio e administração de seus bens presentes e futuros, e ainda a responsabilidade pelas dívidas contraídas em nome próprio, ressalvados às contraídas destinadas ao proveito comum, que neste caso, serão partilhadas responsabilizando cada um pela parte que lhe couber.

CLÁUSULA OITAVA:A alienação de qualquer bem de titularidade dos CONVIVENTES não dependerá da autorização do outro.

CLÁUSULA NONA: As benfeitorias, acessões e melhoramentos que porventura venham a se realizar nos bens de cada CONVIVENTE, integram o respectivo patrimônio particular, o qual é incomunicável.

CLÁUSULA DÉCIMA:Os conviventes contribuirão para as despesas do casal na proporção dos rendimentos de seu trabalho e de seus bens.

CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA:Os CONVIVENTES, neste ato, renunciam de forma irretratável e irrevogável a qualquer ajuda material, a título de alimentos, em caso de extinção do presente contrato, por quaisquer de suas formas, resguardando o direito dos filhos comuns porventura existentes.

CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA:As causas de extinção do presente contrato pode ser:(i) por resolução involuntária (força maior ou caso fortuito); (ii) por resilição unilateral ou bilateral (por simples declaração de uma ou de ambas as partes); (iii) por rescisão unilateral ou bilateral (quando há lesão às cláusulas de convivência expressas na cláusula primeira; (iv) pela cessação (no caso de morte de uma das partes ou de ambas).Em caso de morte de um dos CONVIVENTES, o outro não exercerá a inventariança dos bens do CONVIVENTE falecido.

CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA: Em caso de nascimento de filhos durante o período de duração do contrato, os mesmos deverão ser registrados em nome de ambos os contratante, sendo que ao pai será incumbido do registro dos mesmos;

CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA:O termo do presente contrato inicia-se a partir do momento no qual os CONVIVENTES demonstraram seu animus de constituir família, representado neste ato pelo momento em que foram viver sob o mesmo teto (cláusula primeira).

CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA:No caso de ser declarada nula judicialmente alguma das cláusulas do presente contrato, as outras permanecerão válidas, permanecendo íntegro o presente contrato.

CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA:As cláusulas e condições, reciprocamente outorgadas e aceitas, obrigam os CONVIVENTES ao fiel cumprimento deste contrato, estendendo-se aos eventuais sucessores e/ou herdeiros.

CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA:Modificação ou revogação das leis que regem a matéria, ora vigentes, não alterarão os efeitos e objetivos da presente avença e manifestação de vontade dos(as) contraentes.

CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA:Eventuais alterações ou aditamentos ao presente instrumento, depois de formalizadas e reconhecidas as firmas das signatárias, deverão ser registradas e arquivadas no Cartório de títulos e Documentos desta Comarca.

CLÁUSULA DÉCIMA NONA:Fica eleito o foto da cidade de Florianópolis/SC para dirimir quaisquer dúvidas porventura vinculadas ao presente instrumento, com renúncia a qualquer outro, ainda que privilegiado.

E por assim estarem justos e contratados, firmam este instrumento particular para que produza seus efeitos jurídicos e legais, assinado perante duas testemunhas: Testemunha 1… (nome e qualificação), e Testemunha 2…(nome e qualificação).

Florianópolis, 20 de novembro de 2017.


João

 Testemunha 1

 

Maria

Testemunha 2

 

Fonte: https://farenzenaadvocacia.jusbrasil.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here