Sindicatos dos profissionais de enfermagem e dos estabelecimentos de saúde chegam a acordo no TRT da 23ª Região (MT)

0
5

O Sindicato dos Profissionais de Enfermagem do Estado de Mato Grosso (SINPEN-MT) e o Sindicado dos Estabelecimentos de Saúde (SINDESSMAT) chegaram a um acordo sobre os termos das convenções coletivas de trabalho dos biênios 2018/2019 e 2019/2020.

A conciliação ocorreu durante audiência realizada nesta segunda-feira (10) no Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT), em ação de dissídio coletivo, conduzida pela presidente do tribunal, desembargadora Eliney Veloso.

Os sindicatos conciliaram sobre pontos importantes, entre eles, o reajuste salarial, o piso da categoria e a cesta básica do período 2018/2019. Conforme o acordo, os reajustes serão de 2,5%, retroativo à data-base. O pagamento será realizado em seis parcelas de igual valor, na forma de abono.

Após longa discussão, os sindicatos também chegaram a um acordo sobre o reajuste salarial do biênio 2019/2020. Ficou estabelecido que a categoria terá recomposição de 2% sobre os pisos, a partir de junho deste ano.

Além disso, as empresas pagarão a todos os empregados um abono salarial de 6% sobre o salário base de fevereiro de 2019. A quitação será feira em três parcelas iguais, a começar em janeiro de 2020.

A cesta básica dos profissionais de enfermagem que trabalham em Cuiabá e região passará a ser de 225 reais a partir de janeiro do próximo ano e aumentará progressivamente até março de 2020, quando chegará a 250 reais. Já para os trabalhadores de Rondonópolis e região, o valor passa a ser de 123 reais a partir de janeiro de 2020, chegando a 136 reais em março do mesmo ano.

Os sindicatos apresentarão, no prazo de dez dias, cópias das convenções de 2018/2019 e 2019/2020 devidamente assinadas e com o comprovante de protocolo no Sistema Mediador, do Governo Federal.

O processo ainda será disponibilizado ao Ministério Público do Trabalho (MPT) para emissão de parecer e, após, será distribuído a um desembargador para relatoria e, então, análise pelo Tribunal Pleno do TRT.

Fonte: TRT da 23ª Região (MT)

CSTJ

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here