Rede de Atenção vai auxiliar egressos do sistema prisional em Mato Grosso

0
4

A Rede de Atenção à Pessoa Egressa do Sistema Prisional (Raesp) de Mato Grosso foi criada oficialmente na quinta-feira (15/10), com a realização da Assembleia Constituinte e a escolha do grupo que irá coordenar as ações da Rede pelos próximos dois anos. Com 23 votos a favor, foi eleita a chapa 1, composta por três membros institucionais: Associação Mais Liberdade – representante dos egressos -, Pastoral Carcerária, e o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (GMF); e dois membros individuais: a psicóloga Carla Adriana de Queiroz e a agente penitenciária Eliana Lopes de Lima, como prevê o Regimento Interno.

Composta por 29 membros fundadores, a Raesp-MT tem por objetivo auxiliar egressos do sistema prisional e seus familiares a terem acesso a serviços e políticas públicas, assim como a um trabalho digno. No Rio de Janeiro, onde funciona desde 2006, a Raesp tem dado suporte em termos de conhecimento, agilidade e articulação a órgãos governamentais e não governamentais que atuam para a ressocialização de reeducandos.

“Nosso objetivo é otimizar o trabalho para que as entidades não se sintam isoladas e para que não ocorra superposição de ações entre as instituições”, enfatizou um dos coordenadores da Raesp-RJ, Sidney Teles, que participou do lançamento da Rede mato-grossense. Também participaram da solenidade virtual coordenadores da Raesp-TO e Raesp-RN.

Representante do GMF na Raesp-MT, o juiz da Vara de Execuções Penais de Cuiabá, Geraldo Fidelis, avaliou que a Rede vem fortalecer a recuperação de presos que deixam o sistema carcerário de Mato Grosso, um “estado gigantesco, com uma grande extensão de fronteira seca”. O juiz da comarca de Arenápolis, Diego Hartmann, também participou da assembleia e disse esperar que todo o trabalho de articulação para a criação da Rede traga resultados práticos e que as pessoas que realmente precisam se sintam acolhidas. Ressaltou ainda a necessidade de que as ações se espalhem para o interior e não se concentrem apenas na capital. “É preciso fortalecer a interiorização dessas políticas.”

Entusiasta da cultura da pacificação, a desembargadora Clarice Claudino da Silva se disse maravilhada com o objetivo do trabalho da Raesp-MT e se prontificou a contribuir com noções de justiça restaurativa. Presidente do Núcleo Gestor da Justiça Restaurativa (NugJur) do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), a desembargadora vem trabalhando para capacitar facilitadores de Círculo de Construção de Paz em todas as comarcas. “É um trabalho que realizamos no Tribunal de Justiça e pode agregar valor”, destacou a desembargadora, que faz parte de uma comunidade de acolhimento de recuperandos.

A apresentação da Assembleia Constituinte foi feita por uma das responsáveis pela implantação da Raesp no estado, Natália Vilar Pinto Ribeiro, que também é coordenadora do Programa Fazendo Justiça em MT, como passou a ser chamado o Programa Justiça Presente na gestão do ministro Luiz Fux à frente do CNJ. “A Raesp-MT é resultado de um trabalho que vem sendo realizado há meses entre representantes do sistema de justiça do estado, Poder Executivo, Legislativo e organizações da sociedade civil.”

Fonte: TJMT

The post Rede de Atenção vai auxiliar egressos do sistema prisional em Mato Grosso appeared first on Portal CNJ.

Fonte CNJ

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here