MPF defende no Supremo Tribunal Federal manutenção dos Conselhos Federais

0
7

Constitucional
12 de Junho de 2019 às 20h35

MPF defende no Supremo Tribunal Federal manutenção dos Conselhos Federais

Manifestação foi em julgamento de medida cautelar em ação que questiona decreto presidencial que extinguiu colegiados

Foto do prédio da PGR à noite


Foto: João Américo/Secom/PGR

Quantas vozes são silenciadas com esse decreto? O que estamos silenciando? O que não estamos querendo ouvir?”. Com esses questionamentos, o vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, defendeu a suspensão dos efeitos de dispositivos do Decreto 9.759/2019, assinado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, em abril deste ano. A norma extingue colegiados da administração pública federal direta, autárquica e fundacional a partir de 28 de junho.

O tema entrou em debate na sessão desta quarta-feira (12) no julgamento da medida cautelar (liminar) na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6.121, ajuizada pelo Partido dos Trabalhadores (PT). A sigla sustenta haver inconstitucionalidade formal porque o decreto extingue colegiados com expressa previsão em lei. O julgamento foi suspenso após cinco votos pela concessão da Medida Cautelar e quatro votos pela concessão parcial, suspendendo a extinção apenas dos conselhos criados por lei. A análise da ADI será retomada na sessão desta quinta-feira (13).

Representando a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e reiterando o parecer enviado ao STF, o vice-PGR destacou em sustentação oral que é necessário haver a indicação das alterações provocadas de forma fundamentada. “O que se pretende aqui é que haja clareza, com a apresentação das razões, dos fundamentos, porque o que a Constituição não permite é o irrazoável”, ponderou.

Mariz Maia destacou que as vozes devem ser ouvidas porque é o papel de uma Constituição estabelecer, no Estado Democrático de Direito, como os governantes devem atuar. Há necessidade de respeitar os órgãos colegiados em uma sociedade plural. Porque a pluralidade é fértil”, observou. Ele alertou ainda para a perda do caráter diverso e norteador de políticas públicas menos restritivas, desempenhado hoje pelas entidades.

Parecer – No parecer enviado ao STF, a procuradora-geral da República aponta que há elementos para a concessão da medida cautelar, “pois a ausência de prévio mapeamento estatal a respeito dos colegiados essenciais à consecução das políticas públicas priorizáveis gera insegurança jurídica e compromete a democracia participativa consubstanciada no controle social inerente ao Estado Democrático de Direito”. Segundo Dodge, o perigo da demora está presente porque, “por força do Decreto 9.759/2019, dezenas de colegiados de reconhecida relevância no controle e na promoção de políticas públicas terão os trabalhos comprometidos e interrompidos”.


Íntegra do parecer na ADI 6.121


Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria-Geral da República
(61) 3105-6406 / 6415
pgr-imprensa@mpf.mp.br
facebook.com/MPFederal
twitter.com/mpf_pgr
instagram.com/mpf_oficial
www.youtube.com/tvmpf


MPF

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here